follow us:
//www.charllesandre.com.br/wp-content/uploads/2020/06/charlles-andre-no-palco.jpg

A carreira solo de Charlles André começou quando o músico, ao frequentar os pagodes sem o grupo Os Morenos, era solicitado o tempo todo pelos amigos para cantar algumas de suas composições, inclusive as gravadas por outras bandas. Os pedidos eram tão frequentes que resolveu preparar um repertório com as canções mais pedidas. Reuniu alguns parceiros músicos e formou um projeto que tinha um formato acústico e intimista.

A ideia era relembrar músicas conhecidas do público – outras nem tanto – algumas delas de muito sucesso, sem alterar a linha “samba-pagode” com a participação de convidados. Essas canções fizeram parte de pequenas apresentações que foram apresentadas em casas que valorizam a boa música como a Gafieira Elite, centros culturais, teatros e bares com perfil para shows acústicos. Não se tratava de pagode de mesa, nem carreira solo naquele momento, era apenas mais uma maneira de estimular ainda mais suas inspirações e de ter oportunidade de fazer o que mais gosta: cantar suas próprias músicas. E uma seleção foi feita pelo próprio músico com suas melhores composições, arranjos, produções e regências. Nas apresentações, Charlles cantava, tocava violão e cavaquinho, acompanhado dos músicos; Christian no violão e contrabaixo acústico, Marcos Valério nos teclados, Neném Chama, Orelha e Miudinho na percussão.

As composições que faziam parte do projeto acústico eram: “Pela vida inteira”, gravada pelo grupo Kiloucura; “Instinto natural”, gravada pelo Alô Som; “24 meses” e “Não pedi para me apaixonar”, gravadas pelo Sociedade do Samba; “Coração deserto” e “Preciso viver”, gravadas pelo Sorriso Maroto; “Gato manhoso”, gravada pelo Raça Negra; “Amor no elevador”, “Tanajura” e “A princesa e o plebeu”, gravadas pelo Negritude Júnior; “Volta amor”, gravada pelo Swing Simpatia; “Amor e amizade”, gravada pelo Exaltasamba; “Dá pra ver”, gravada pelo Pique Novo; “Chamadinha”, gravada pelo grupo É o Tchan; “Nossa canção”, gravada pelo Soweto; e, “Amor singular”, “Amor de verão” e “Mina de fé”, gravadas na voz de Charlles André pelo grupo Os Morenos.

A partir daí Charlles André amadureceu a ideia de gravar um disco solo com suas músicas de maior sucesso, escolheu o repertório junto com seu amigo e produtor, Neném Chama e partiram para o CD “Charlles André Canta Seus Sucessos”, disponível no canal do cantor, no Youtube do cantor e nas principais plataformas digitais.